Estrias

ESTRIAS

VISÃO GERAL

As estrias cientificamente são chamadas de atrofias linear (es) cutânea, e são resultado do estiramento excessivo da pele com subsequente rompimento de suas fibras elásticas e colágenas, presentes no tecido conjuntivo da derme, e afinamento da espessura da região. Surgem após súbito ganho de peso ou de massa muscular (hipertrofia), bem como após implantes de próteses de silicone, estirões de crescimento, puberdade, gestação (gravidez) e ações de hormônios estrogênios e/ou adrenocorticais (isto é, os provenientes do córtex da glândula adrenal – ou supra renal -, como o Cortisol e seus derivados hormonais sintéticos sob a forma de medicamentos tópicos ou sistêmicos).

Localizam-se, preferencialmente, em: flancos, coxas, seios, abdômen e glúteos.Nos homens, geralmente encontram-se em braços, costas e ombros.

Quando recentes (novas), são chamadas de estrias rubras ou vermelhas, sinal que demonstra processo inflamatório natural no local, bem como sua perfusão sanguínea (vascularização) – processo similar ao que ocorre em cicatrizes recentes – ; discreta coceira (prurido) pode ser notado.

As estrias antigas são brancas, sem processo inflamatório local e possuem difícil tratamento.

Em pacientes de fototipos elevados (mulatos ou negros) as estrias podem gerar, no local, hiperpigmentação (escurecimento da tonalidade da pele em relação à cor natural).

Ressalta-se que não há cura total, em especial quando lidamos com estrias antigas, mas há importante e significativa melhora. O tratamento precoce é fundamental para o sucesso.
Peelings e cremes tópicos com ácidos, muito usados por dermatologistas, não são o foco dos nossos tratamentos Biomédicos, mas sim procedimentos em consultório, minimamente invasivos, injetáveis e/ou com uso de lasers ou outras biotecnologias de ponta.