– Microagulhamento

O substituto do laser de CO2 fracionado!

A indução percutânea (através da pele) de colágeno, ou Microagulhamento, é um procedimento realizado com “Dermarollers” ou “Dermapens”, que são aparelhos com agulhas estéreis e descartáveis, com os devidos registros na ANVISA. É indicado isoladamente ou em combinação com outras técnicas para tratar disfunções como: cicatrizes (principalmente as atróficas), estrias, alopecias (queda de cabelo), flacidez (propicia efeito lifting) e linhas ou rugas finas de repouso (estáticas). Pode ser parte do esquema de Rejuvenescimento 3D. Atenção: Nosso Microagulhamento pode atingir profundidades especiais (o que gera resultados mais satisfatórios); portanto, não confunda ou compare nosso procedimento em questão com aquele de mesmo nome realizado por esteticistas.

favicon guilherme Parece tortura medieval, mas não é. O procedimento é muito simples e bem tolerado:

Os rollers são semelhantes a rolinhos de pintura, possuem cabo e um cilindro deitado à frente, formando um T, cuja superfície é impregnada de agulhinhas que perfuram controladamente a pele conforme o “roller” se move sobre ela (mais indicado para corporal). Os pens são canetas com motorzinhos internos e feixes de agulhinhas finas nas pontas (ponteiras), que se movimentam num vai-e-vem para baixo e para cima, sempre verticalmente, em profundidade e velocidade controlada (é o mais indicado para face e estrias).

A aplicação do microagulhamento induz a pele a produzir novos vasos sanguíneos (neovascularização e neoangiogênese) e também a produzir colágeno próprio (neocolagênese) – o que combate a flacidez cutânea -. A técnica ainda facilita a permeação de princípios ativos colocados topicamente na superfície (drug delivery – entrega de medicamentos).

A aplicação correta do aparelho não “rasga” ou “arranha” a pele. O efeito ao final da sessão é a formação de microcanais cônicos invertidos (afunilados) ou os perfeitamente verticais em relação à pele (perpendiculares), canais esses cujas profundidades podem variar de 0,25 a 2,5 mm (milímetros), dependendo da região anatômica, da tolerância do paciente, do profissional habilitado e da disfunção a ser tratada.

É um procedimento que preserva ilhas de tecido saudável e intacto entre os canais de perfuração produzidos, o que facilita a liberação de fatores de crescimento, aproximação de bordas, reduz risco de infecções ou cicatrizes e o tempo de recuperação. Essa arquitetura fracionada favorece ainda a cicatrização e a reepitelização rápida; além disso, fluidos internos aparentemente aquosos (exsudato) ou pequeninos pontos finos de sangue podem aparecer salpicadamente na superfície durante a aplicação, é o chamado “orvalho sangrante”, que é absolutamente normal e benéfico – visto que o plasma sanguíneo contém fatores de crescimento que auxiliam no rejuvenescimento -.

Por isso, muitos autores consideram essa técnica mais econômica e igualmente ou até mais eficaz do que o laser de CO2 fracionado, que age produzindo canais da mesma natureza, mas sem o benéfico fator do orvalho sangrante.

Visite nossa seção científica de disfunções especialmente adaptada para você:

Para mais informações sobre rugas (rítides), clique aqui.

Para mais informações sobre flacidez, clique aqui.

Para mais informações sobre rejuvenescimento 3D (tratamento), clique aqui.

Para mais informações sobre estrias, clique aqui.

Para mais informações sobre cicatrizes, clique aqui.

Para mais informações sobre queda de cabelo (alopécia), clique aqui.